escrevemos o que nos pedir

Biografias, homenagens, livros, mini- histórias de amor, poemas, contos infantis exclusivos e personalizados, contos para adultos, tudo o que sonhar. Também fazemos revisão de textos e trabalhos.

Conheça os serviços que temos para si.

reportagens

Antena 1

RTP1

Terras do Homem

Diário do Minho






arquivos

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

pesquisar
 
subscrever feeds





advertência

O conteúdo deste blogue não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, nem as ideias nele contidas, conforme explícito na lei, incorrendo o prevaricador num ilícito penal grave.

23/09/2011
Diversificação de estilos
Toda a gente pensa que escrever (bem) é fácil. Que escrever um livro é apenas fazer o relato meloso de uma qualquer luta interior, de preferência usando trezentas vezes a palavra beijo, sonho, lábios e nuvens, entre tantas outras do mesmo género, só porque é romântico e soa bem. Ora bem, escrever bem não é isto:

Pousaste os olhos sobre o meu corpo de ninfa
Envolto em sonhos de algodão
Os teus beijos como nuvens
Em mil abraços de perdão.


Não, escrever bem não é nada disto. Nem disto:

Soubesses tu as saudades do teu amor, a falta que me fazes, o teu corpo desenhado nos lençóis. Quero o sabor dos teus beijos, que não me arranques dos teus sonhos. Sinto falta do teu peito e do aroma do teu banho. Tu és em mim. Meu Adónis fugido. Deus do Olimpo que me renegas. Tu és o meu sonho sonhado, a brisa da manhã, o céu onde me deito e acordo, envolta em ti.

Ora bem, não sei se ainda aí está, se se vomitou ou simplesmente ferrou o galho. Podíamos prosseguir indefinidamente até alguém tentar o suicídio, mas preferimos mostrar-lhe coisas boas. Olhe, como este texto da Dulce Lopes. Um conto que tanto pode ser para adulto como para criança. Um humor refinado, numa escrita surpreendente. A Dulce pode também escrever para si, se quiser arriscar um conto mirabolante, divertido, enternecedor, ousado.

Rezavam outras fábulas, intemporais, de animais internacionais e inter-racionais, que os príncipes procurariam as suas amadas montados em belíssimos cavalos e as resgatariam das suas vidas difíceis. E seriam felizes para sempre, etc.
Menos a parte dos muitos filhos, que, sinceramente, muitos muitos, nunca achei grande ideia.
Mas nesta história que agora vos conto, havia alguns problemas logísticos: o reino era pequeno e a amada vivia muiiiiito longe. No reino não havia cavalos. O que era estranho para um reino, mas aquele reino era estranho. Não sendo isso obstáculo que demovesse o príncipe, porque o amor dos príncipes alimenta-se a si próprio, mas desejando ao menos uma companhia para o caminho, Sua Real Alteza procurou quem o acompanhasse a resgatar a amada.
- Eu vou contigo - disse o caracol.
O príncipe torceu o seu magestático nariz, mas caramba, era um príncipe, não podia ser indelicado:
- Virás então comigo. - assentiu.
Muitos anos andaram pelos caminhos, muitos anos, muitos anos, muitos anos... Tantas vezes o príncipe esperou pelo caracol que um dia morreu de impaciência e daquilo que a autópsia revelou ser uma overdose de delicadeza...


publicado por projectcyrano às 14:42
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

A marca Projecto Cyrano está registada no INPI desde Dezembro de 2010.
os nossos livros

O Casamento do Drgão

Um conto medieval para dois irmãos


Amor em Africa

Um amor para sempre


João e Benjamim

Conto para um avô


Blog em livro

Mais um blog


Para ti, João Pedro

Prenda para um filho


Um sonho para mim

Vida e amor


Povo pequenino

Outro conto infantil


O primeiro conto

O primeiro conto escrito pelo Projecto Cyrano


Um blog de amor

Blog em livro


Em nome do amor

Trinta páginas mais dez de fotos