escrevemos o que nos pedir

Biografias, homenagens, livros, mini- histórias de amor, poemas, contos infantis exclusivos e personalizados, contos para adultos, tudo o que sonhar. Também fazemos revisão de textos e trabalhos.

Conheça os serviços que temos para si.

reportagens

Antena 1

RTP1

Terras do Homem

Diário do Minho






arquivos

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

pesquisar
 
subscrever feeds





advertência

O conteúdo deste blogue não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, nem as ideias nele contidas, conforme explícito na lei, incorrendo o prevaricador num ilícito penal grave.

13/01/2011
Exercício evocativo
Antes de ler isto, clique AQUI e abra novamente o texto.


Imagine-se nos socalcos do Douro num dia de chuva miúda. Está frio. Alguém o convida para uma sala com uma grande lareira. Oferecem-lhe o lanche. Sem pressa. Marmelada, geleia, compotas, presunto, queijo, broa, vinho. Não há um único som civilizado ali dentro, só Natureza, numa dessas enormes quintas penduradas sobre o rio, onde se escuta, ao longe, os murmúrios da corrente e o deslizar paciente dos rabelos. Alguém o obriga, gentilmente, a sentar-se. Há muita gente à sua volta, a rir e a conversar, sem barreiras de qualquer ordem. Nem de status nem de comunicação. O que você diz é o que os outros ouvem. E vice- versa. Oferecem-lhe azeitonas caseiras, cortadas à faca, com alho e folhinhas de óregãos. O cheiro a chouriça assada chega-lhe devagarinho. Nada o perturba. Só o vinho que o entorpece muito devagar. Adormece-lhe o corpo, mas não os sentidos. Os sentidos também podem estar felizes. De repente, imagina-se no passado. Por três minutos apenas, enquanto mexe nas brasas da lareira com um pau, vem-lhe à memória o cheiro a trabalho da roupa do seu avô, o rancho com massa cortada grossa e feijão, os riachos, os malmequeres e as joaninhas pousadas por aí. Os campos de milho e de trigo a abrirem-se como um convite à diversão. O pão com queijo feito pela mãe, a bola de carne, de bacalhau, de sardinha. As farófias, o arroz doce, as saudades. Tantas saudades. E os pés descalços sem embaraços. Andar a pé, andar muito a pé sem frio, pelo coração da sua aldeia. Pé na pedra, na terra batida, na caruma. Pé na liberdade. Asas abertas. O cabrito no forno, os beijos da avó, os encontros familiares. Naquele tronco que agora arde, vê, por uma fracção insana, o seu reflexo de menino. O tempo que não volta mas continua em si, na sua pele barbada, no seu cheiro, no seu sorriso. Quando você está, estão também todos os momentos que viveu. Quando você está, estão também aqueles que povoaram a sua vida. Porque as coisas que vão, voltam sempre. Mesmo que não se vejam com os olhos.


*E você, sentiu alguma coisa a ler este texto?

Segredamos-lhe: guarde as suas memórias para as poder transmitir aos que vierem depois. São muito mais do que bonitas recordações. São um pouco de si que se imortaliza. 


publicado por projectcyrano às 15:12
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

9 comentários:
De RJ a 13 de Janeiro de 2011 às 15:46
Senti sim. Lembrei a minha avó, que morreu há 7 anos. Engraçado porque não tinha grande afinidade com ela mas foi a primeira pessoa que me veio à ideia. Depois o cheiro das filhozes da minha outra avozinha, essa sim vivinha da silva e linda.
E o dever de passar aos meus filhos festas com cheiro a massa a levedar, abraços a cheirar a alho e coentros, joelhos esfolados e roupa rota.


De Anónimo a 13 de Janeiro de 2011 às 15:47
muitas saudades da infância...

Sara


De Anónimo a 13 de Janeiro de 2011 às 15:54
Peço desculpa, não tenho conta no google. Gostei muito.

Até me emocionei um bocadinho. Ainda entrarei em contacto convôsco...


De Dulce a 13 de Janeiro de 2011 às 15:57
Aconchego...


De Anónimo a 13 de Janeiro de 2011 às 16:34
Traz-me à memória oa meus tempos de mocidade numa recôndita aldeia Transmontana, onde minha avó materna vivia ... Há vivências, cheiros e paladares que ficam para sempre retidos nas nossas memórias ...
Hummmmm ... até dá água na boca, quando penso na broa quente, a sair do forno, barrada cm azeite e salpicada de açúcar ...
As alheiras, penduradas na cozinha, que exalam um cheiro fantástico ... assadas no braseiro da lareira, e comida em cima de uma fatia de pó centeio ...


De Anónimo a 13 de Janeiro de 2011 às 16:55
Adorei, lindo e emocionante mm!! Parabéns


De Ana Sousa a 14 de Janeiro de 2011 às 16:09
ADOREI!!!
Foi como se estivesse lá!


De Sílvia a 15 de Janeiro de 2011 às 13:37
Arrepiei-me! E lembrei tantas coisas...


De TOMÁS a 2 de Fevereiro de 2011 às 14:56
De tudo o que se possa sentir, é saber em quanto somos aqui que os outros pensam e vice versa...


Comentar post

A marca Projecto Cyrano está registada no INPI desde Dezembro de 2010.
os nossos livros

O Casamento do Drgão

Um conto medieval para dois irmãos


Amor em Africa

Um amor para sempre


João e Benjamim

Conto para um avô


Blog em livro

Mais um blog


Para ti, João Pedro

Prenda para um filho


Um sonho para mim

Vida e amor


Povo pequenino

Outro conto infantil


O primeiro conto

O primeiro conto escrito pelo Projecto Cyrano


Um blog de amor

Blog em livro


Em nome do amor

Trinta páginas mais dez de fotos