escrevemos o que nos pedir

Biografias, homenagens, livros, mini- histórias de amor, poemas, contos infantis exclusivos e personalizados, contos para adultos, tudo o que sonhar. Também fazemos revisão de textos e trabalhos.

Conheça os serviços que temos para si.

reportagens

Antena 1

RTP1

Terras do Homem

Diário do Minho






arquivos

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

pesquisar
 
subscrever feeds





advertência

O conteúdo deste blogue não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, nem as ideias nele contidas, conforme explícito na lei, incorrendo o prevaricador num ilícito penal grave.

22/11/2011
Neve
- Dói-me aqui- disse ela, apontando o coração. - Dói-me muito. Dói-me também aqui... aqui... aqui- apontou, lentamente, por todo o corpo. - Não ouço bem. Parece que estou no fundo de um túnel. E tenho o peito tão cheio de água que acho que vai rebentar e toda eu vou a correr para o mar, misturar-me nele.

- Pára lá com as fracas metáforas. O que é que tens?- perguntou-lhe a amiga. 

- Sei lá. Talvez tenha sido uma avalanche que me passou por cima sem eu ter dado conta. Mas acho que ainda estou soterrada.  Está muito frio aqui em cima, por dentro, no interior das veias, nas artérias, debaixo das unhas, dentro dos olhos, na raiz dos cabelos, na palma das mãos. E nos lábios. Dentro dos lábios.

- Mas quem te magoou assim tanto, rapariga?

- Primeiro pensei que tinha sido ele.

- Ele quem?


- Ele, o homem que me encheu os olhos de sol e depois apagou a luz.

- E?

- Cheguei à conclusão de que não foi ele que me magoou. Fui eu mesma. E sabes? Dói-me mesmo aqui, aqui, aqui, aqui... Será que alguma vez vai deixar de doer?

- O que te dói é a ilusão desfeita?

- Não. Ninguém me iludiu. O que me dói é esta sensação de ter chegado ao fim.

- Da vida?

- Não. Da gaiola. Já lhe dei a volta vezes sem conta, não me apetece começar tudo outra vez. Não tenho céu para voar. Sinto que nunca mudarei. Quero subir para ver o que está do outro lado, mesmo que vá de encontro ao abismo.

- És doida, vá.

- Sim, sou. Tenho a doidice da liberdade.


publicado por projectcyrano às 14:20
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

A marca Projecto Cyrano está registada no INPI desde Dezembro de 2010.
os nossos livros

O Casamento do Drgão

Um conto medieval para dois irmãos


Amor em Africa

Um amor para sempre


João e Benjamim

Conto para um avô


Blog em livro

Mais um blog


Para ti, João Pedro

Prenda para um filho


Um sonho para mim

Vida e amor


Povo pequenino

Outro conto infantil


O primeiro conto

O primeiro conto escrito pelo Projecto Cyrano


Um blog de amor

Blog em livro


Em nome do amor

Trinta páginas mais dez de fotos