escrevemos o que nos pedir

Biografias, homenagens, livros, mini- histórias de amor, poemas, contos infantis exclusivos e personalizados, contos para adultos, tudo o que sonhar. Também fazemos revisão de textos e trabalhos.

Conheça os serviços que temos para si.

reportagens

Antena 1

RTP1

Terras do Homem

Diário do Minho






arquivos

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

pesquisar
 
subscrever feeds





advertência

O conteúdo deste blogue não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, nem as ideias nele contidas, conforme explícito na lei, incorrendo o prevaricador num ilícito penal grave.

02/03/2011
Mais devagarinho, por favor
"Ontem perguntei-me quanto tempo demorava a mudar uma vida. Creio que apenas um segundo, se a decisão vier de dentro. Nos últimos anos, desde que a tecnologia criou várias comunidades virtuais dentro da nossa comunidade, noto que o meu relógio anda mais depressa. Sinto-lhe os tiquetaques apressados nas minhas têmporas anestesiadas. Tic... Tac... Tic... Tac... Tic... Tac. Às vezes, chego ao fim do dia e sinto-me cansada de não fazer grande coisa. Andei no Facebook e, pelo meio, trabalhei um bocado. Li muita coisa. Pouca coisa que interesse para o meu bem- estar ou vida cívica. Passaram-se umas horas desde a manhã e eu rendi muito menos do que podia. No entanto, estou exausta, talvez um pouco vazia. Dentro da minha cabeça, cruzaram-se os amigos, os conhecidos, os de infância, os do bairro, os do trabalho, depois do outro trabalho e ainda os outros, aqueles que cruzaram a nossa vida em virtude desse tal e daquele emprego, desde colegas a relações profissionais de toda a sorte. De certa forma, todos falaram comigo. Muitos falaram-me sobre temas que eu não queria ouvir; outros disseram coisas de que não gosto, houve os que publicaram notícias que eu não queria ler ou músicas que não me dizem nada e só me fazem ter pena por tão fraco gosto musical. 

Depois há as banalidades de todos os dias, daquelas que se dizem no elevador e, por outro, as partilhas de sentimentos e desabafos de que ninguém realmente quer saber, a não ser por curiosidade ou porque, quase sempre, sente ansiedade e não se quer sentir só. Racionalmente, sinto que sei isto. Mas o Facebook, nas suas vantagens óbvias, é como os cigarros: fazem mal e sabem bem para alguns, fazem e sabem mal para outros. Eu até gosto do Facebook e das pessoas. Só não gosto é das inundações, dos fluxos, dos tsunamis informativos. Ninguém comporta tanta informação sem se ressentir, sem se isolar, julgando-se muito requisitado, admirado, lido, interessante. Dali a segundos, já ninguém se lembra o que postou A, B e C ou se morreram quatro ou dez pessoas no corrente dia. E de quê, já agora? Quanto mais alienados, mais vorazes.





O relógio já andava depressa depois dos 18 anos, agora galopa, frio, enchendo-nos a cabeça de túneis vazios e húmidos. Os meus túneis vazios e húmidos. O relógio apressado é uma doença e as pessoas não sabem. O cansaço do vazio é uma doença e as pessoas não sabem. A síndrome de privação seja de que vício for é outra doença e as pessoas sabem mas não se importam realmente, até que os seus túneis vazios e húmidos se enchem de tristezas e de sentimentos novos para os quais ainda não há nome. Posto isto, um dia medi os meus níveis de ira e irritabilidade e reparei que andava tudo desregulado. A minha capacidade de empatizar ou de sentir solidariedade também tinha diminuído um pouco, resultado da banalização das vidas e dos problemas alheios. Não se pode sentir pena o dia todo, sem correr riscos pessoais. Mas tudo isto pouco me importa. Dos seus túneis cada um trata. Mas nos meus, em vez das flores da Primavera a despontar, estavam a reproduzir-se ratos, contentes pela humidade e pelos despojos deixados ao acaso.
E um dia, num dia como outro qualquer, em que senti a minha desconexão comigo própria no auge, não tomei uma decisão. Assumi-a de uma vez. Deitei o relógio ao chão e pisei-o. Depois saí para a rua e fui ver o sol. Oh, chamem-me inocente mas fui ouvir os pássaros e os zzzzzz apaziguadores das abelhinhas. Fiz de propósito e meti-me pelas ruelas mais estreitas da minha terra. Optei por ir pelos locais onde pudesse ouvir os meus pés a pisar folhas e paus secos. Parei aqui e ali para ver as flores das giestas, as papoilas, as mimosas, algumas flores silvestres roxas cujo nome desconheço, chamadas por este quase- quase calor primaveril. Fiquei uns segundos a ver uma velha roda de um moinho que alguém pôs à venda. Passei por vários cães e todos se puseram a ladrar uns para os outros em rede (salvo seja), quem sabe avisando-se uns aos outros que um intruso ia passar. Era preciso cautela. Cautela comigo. Mas eu não. Nunca tive medo de cães. Na realidade, nem eles de mim. Continuei a caminhar sob o sol fraco da manhã. Fraco, mas luminoso. Fui à Igreja e fiquei lá menos de cinco minutos. O suficiente para encher o peito de ar e de outras coisas boas. Vi as casas rurais, a lenha de uns e de outros, os vasos, as cameleiras a largar camélias para o chão e alguns trabalhadores aqui e ali a fazer arranjos. Vi ovelhas a pastar, mesmo ao lado de um restaurante conhecido da região onde há sempre leitão, picanha e papas de sarrabulho.

A dada altura, já não sabia como chegar à estrada principal, mas segui o barulho dos carros e atalhei por onde me apeteceu. Parei num mercadinho cheio de gente velha e comprei kiwis, tangerinas, água, peixe fresco e leite. Despedi-me sem pressas e ainda troquei dois dedos de conversa com a dona, gente da minha comunidade real que tão bem conheço e tantas vezes descuro.  Bem, não sei se descurar será a palavra certa, uma vez que o meu gosto pela conversa me leva a conhecer muito bem a rede que compõe a minha vida no campo.  Andei o suficiente para uma primeira vez. Talvez dois quilómetros. Voltei a casa, tomei um banho, comi uma tangerina e vim trabalhar. É só isto, mais nada. Agora vou trabalhar. O Facebook? Lá está, assim como os meus amigos. E eu lá estarei, para o que for preciso. Eles sabem onde me encontrar e vice- versa. E não se surpreenderão se no caminho para minha casa, virem alguma má energia excedente que se volatilizou e se fez Natureza. Não passou para ninguém. Desapareceu".




Denisa Sousa/Projecto Cyrano


publicado por projectcyrano às 11:52
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

A marca Projecto Cyrano está registada no INPI desde Dezembro de 2010.
os nossos livros

O Casamento do Drgão

Um conto medieval para dois irmãos


Amor em Africa

Um amor para sempre


João e Benjamim

Conto para um avô


Blog em livro

Mais um blog


Para ti, João Pedro

Prenda para um filho


Um sonho para mim

Vida e amor


Povo pequenino

Outro conto infantil


O primeiro conto

O primeiro conto escrito pelo Projecto Cyrano


Um blog de amor

Blog em livro


Em nome do amor

Trinta páginas mais dez de fotos