escrevemos o que nos pedir

Biografias, homenagens, livros, mini- histórias de amor, poemas, contos infantis exclusivos e personalizados, contos para adultos, tudo o que sonhar. Também fazemos revisão de textos e trabalhos.

Conheça os serviços que temos para si.

reportagens

Antena 1

RTP1

Terras do Homem

Diário do Minho






arquivos

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

pesquisar
 
subscrever feeds





advertência

O conteúdo deste blogue não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, nem as ideias nele contidas, conforme explícito na lei, incorrendo o prevaricador num ilícito penal grave.

08/02/2011
As coisas que aprendemos perto dos trinta anos (ou depois)
Às vezes é o próprio Universo que depura a nossa vida. Outras temos de ser nós a fazê-lo. Como? Reciclando. No vidrão, coloque as coisas opacas e pouco transparentes, os vidros partidos, com rachas ou afiados que possam magoar-nos e já não possam ser reutilizados. Deite fora os frascos que já tiveram coisas boas dentro, mas que doravante, possam servir para se encher de outras coisas boas na casa de outras pessoas. No papelão, deite fora as cartas que já não quer ler, as multas, os bilhetes não premiados do Euromilhões e da lotaria, as palavras que o feriram, os insultos que alguém muito infeliz possa ter proferido (porque quem insulta é sempre muito, muito infeliz), deite fora as insinuações, os desconfortos, as mentiras, livre-se de tudo sem olhar para trás. Como estamos perante a era digital, deite simbolicamente fora todos os emails dúbios e as frases que nada de bom acrescentaram à sua vida. Pegue nas postagens do Facebook que lhe desagradam e, sem olhar, tire-as da sua vida, proteja-se, mure a sua felicidade. Não precisamos de saber tudo, ver tudo, ler tudo. Há coisas que simplesmente não nos interessam. Há muitas, muitas coisas que só nos fazem sofrer e não convém esgotar a nossa capacidade de nos solidarizarmos com a dor alheia. No lixo orgânico, deite fora os amores mal resolvidos, os beijos que deu e não quis dar, os beijos que não deu e quis dar, deite fora aquela parte do seu coração que alguém fez secar. Não se esqueça, por cada dez pessoas que não gostam de si, há cem que gostam; quando é ao contrário é que é de preocupar. Livre-se das lágrimas, das que chorou inutilmente e, de todo o lixo deitado fora, guarde só as partes boas. Guarde-as, não as menospreze. Todas as dores têm partes positivas que pode reutilizar no futuro. Por último, chame os serviços para lhe levarem os chamados "monstros", aqueles que nenhum caixote pode suportar e não podem ser colocados na Natureza pura porque a sujam e a contaminam. E agora, respire fundo. Além de todos os tesouros que já tinha antes e que guardou com carinho,  a sua vida está, provavelmente, muito melhor, cheia de emoções novas, espaço para outras coisas, pessoas, sentimentos, outros beijos, emails, amizades. Viver é isto e nada mais do que ISTO.


publicado por projectcyrano às 11:48
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

A marca Projecto Cyrano está registada no INPI desde Dezembro de 2010.
os nossos livros

O Casamento do Drgão

Um conto medieval para dois irmãos


Amor em Africa

Um amor para sempre


João e Benjamim

Conto para um avô


Blog em livro

Mais um blog


Para ti, João Pedro

Prenda para um filho


Um sonho para mim

Vida e amor


Povo pequenino

Outro conto infantil


O primeiro conto

O primeiro conto escrito pelo Projecto Cyrano


Um blog de amor

Blog em livro


Em nome do amor

Trinta páginas mais dez de fotos