escrevemos o que nos pedir

Biografias, homenagens, livros, mini- histórias de amor, poemas, contos infantis exclusivos e personalizados, contos para adultos, tudo o que sonhar. Também fazemos revisão de textos e trabalhos.

Conheça os serviços que temos para si.

reportagens

Antena 1

RTP1

Terras do Homem

Diário do Minho






arquivos

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

pesquisar
 
subscrever feeds





advertência

O conteúdo deste blogue não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, nem as ideias nele contidas, conforme explícito na lei, incorrendo o prevaricador num ilícito penal grave.

19/09/2011
Olhe


para ali. O que vê? Uma menina a olhar o mar. Sozinha? Solitária? Triste? Olhe para ali. Para ali não, para lá mais além. O que vê? A linha do horizonte? As nuvens derramadas, exaustas sobre o mar? Os ombros de ambos tocando-se? Algum deles chora? Algum deles se redime do seu ar trágico abraçando a menina ali abandonada? O que vê, afinal? O cheiro da areia molhada? O cheiro não se vê. Vê, sim. Tudo o que se sente, vê-se. Todos os sentidos vêem. Sendo assim, o que vê, aqui, ali, além, desde o princípio até à fina e sombria linha do horizonte? Vê que no meio há um mar inteiro, espreguiçando-se, por vezes rosnando, trazendo memórias espumosas de outros olhares e outros Verões. Se a menina rir, o que lhe devolverá o mar? Saudades? Será que ela chora ou não? O que vê ali? Vê-se a si ou à menina? Sente tristeza ou alegria? Vontade de fugir ou abraçar? O que se vê ali é o seu reflexo. O reflexo de uma criança que indaga sobre o seu futuro, enquanto só a sensação dos seus pés na areia fria é real. O que vê ali além, insisto? Nada, além de um barco. Nada, além de uma viagem até dentro de nós mesmos. O que vemos é o que somos. O que sentimos é o que somos. Ninguém jamais sentirá esta imagem de forma igual.


publicado por projectcyrano às 15:25
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

1 comentário:
De letta a 22 de Setembro de 2011 às 13:36
nos somos o que pensamos....


Comentar post

A marca Projecto Cyrano está registada no INPI desde Dezembro de 2010.
os nossos livros

O Casamento do Drgão

Um conto medieval para dois irmãos


Amor em Africa

Um amor para sempre


João e Benjamim

Conto para um avô


Blog em livro

Mais um blog


Para ti, João Pedro

Prenda para um filho


Um sonho para mim

Vida e amor


Povo pequenino

Outro conto infantil


O primeiro conto

O primeiro conto escrito pelo Projecto Cyrano


Um blog de amor

Blog em livro


Em nome do amor

Trinta páginas mais dez de fotos