escrevemos o que nos pedir

Biografias, homenagens, livros, mini- histórias de amor, poemas, contos infantis exclusivos e personalizados, contos para adultos, tudo o que sonhar. Também fazemos revisão de textos e trabalhos.

Conheça os serviços que temos para si.

reportagens

Antena 1

RTP1

Terras do Homem

Diário do Minho






arquivos

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

pesquisar
 
subscrever feeds





advertência

O conteúdo deste blogue não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, nem as ideias nele contidas, conforme explícito na lei, incorrendo o prevaricador num ilícito penal grave.

14/12/2010
E de romances, gosta?
(...)"Sofia levantou-se e correu para casa. Tinha desistido das suas intenções. Não conseguia parar de tremer e a vela que levava para alumiar o caminho, tinha-se apagado. Pelo ar ecoavam uivos dos lobos da serra, miados de gato e o arrepiar das gotas de orvalho que se desprendiam dos beirais, caindo nas placas de zinco. Para onde olhasse, só via sombras. Por momentos, julgou ouvir um tilintar metálico. Parou, com o coração a rufar como um tambor e os ouvidos magoados do silêncio. Correu o mais veloz que pôde, entrou em casa pela porta da frente, que dava para o recinto da feira, descampado e solitário, virado para o campo agora sem vegetação, subiu as escadas a galope e entrou no quarto. Não acendeu a luz, atirou-se para a cama e aconchegou-se no quente das irmãs. Amélia murmurou qualquer coisa e virou-se. Matilde não estava lá. Enervada até ao limite do enjoo, voltou a levantar-se e procurou-a pela casa. Viu-a de costas, no terraço. Parecia uma aparição, com a camisa de noite branca a esvoaçar e um emaranhado de cabelos ao vento. Ficou, por momentos, a contemplá-la, sem saber o que fazer. Como uma luz pousada no nada, a rapariga parecia murmurar, bruxulear,  tornar-se mancha branca intocável, agitar-se, sem, contudo, tirar, uma única vez os pés da madeira comida pelos bichos" (...). 


A nós, viram-nos o coração do avesso. 


publicado por projectcyrano às 14:53
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

A marca Projecto Cyrano está registada no INPI desde Dezembro de 2010.
os nossos livros

O Casamento do Drgão

Um conto medieval para dois irmãos


Amor em Africa

Um amor para sempre


João e Benjamim

Conto para um avô


Blog em livro

Mais um blog


Para ti, João Pedro

Prenda para um filho


Um sonho para mim

Vida e amor


Povo pequenino

Outro conto infantil


O primeiro conto

O primeiro conto escrito pelo Projecto Cyrano


Um blog de amor

Blog em livro


Em nome do amor

Trinta páginas mais dez de fotos