escrevemos o que nos pedir

Biografias, homenagens, livros, mini- histórias de amor, poemas, contos infantis exclusivos e personalizados, contos para adultos, tudo o que sonhar. Também fazemos revisão de textos e trabalhos.

Conheça os serviços que temos para si.

reportagens

Antena 1

RTP1

Terras do Homem

Diário do Minho






arquivos

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

pesquisar
 
subscrever feeds





advertência

O conteúdo deste blogue não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, nem as ideias nele contidas, conforme explícito na lei, incorrendo o prevaricador num ilícito penal grave.

25/10/2010
Temos tanta pressa
Mas para onde queremos ir? Há quanto tempo não ouvimos os nossos apelos interiores? Aquela voz que já não escutamos porque andamos sempre a correr para lado algum, mesmo quanto estamos parados no sofá, a branquear a nossa mente olhando para algum programa televisivo deprimente? À espera do amanhã, do depois de amanhã, à espera da vida ideal, do fim-de-semana seguinte, das sextas- feiras à tarde, da estabilidade financeira, da igualdade material. Do dia em que teremos a nossa casa e o nosso cão, as nossas férias anuais e o nosso almoço de Domingo no restaurante? Há quanto tempo não se senta num jardim, sozinho, a ver as folhas cair? A descascar uma romã? A adivinhar para onde vai aquele casal de ar feliz? A ouvir o sussurro da água corrente. Quando foi a última vez que esteve despreocupado? Que não teve medo? Que chorou com uma música? Que falou com uma planta? Que apreciou com vagar a sua cama feita de lavado, as cores da salada, o cheiro de um prato de infância. Para onde quer ir? Porque não fica aqui, apenas neste dia presente, neste minuto preciso em que lê estas palavras? Vai para algum lado? Porque não se aquieta em vez de se inquietar? Porque não faz, durante este dia, coisas que o façam sentir-se bem? Falar com um amigo ausente, resolver um problema pendente, correr junto da Natureza até ensopar o seu fato de treino com o stress dos dias? Porque não chora alto? Porque não diz o que lhe vai na alma? Porque não abre as janelas da sua casa? Há quanto tempo não passa um dia sem se lembrar de dinheiro, de contas, de afazeres que adia? Por mais que nos organizemos, na rectidão obsessiva da nossa agenda e das nossas rotinas, nada na nossa cabeça anda organizado. Há excesso de informação, de estímulos, de coisas. De objectivos que teimamos em perseguir sem que saibamos se eles nos trarão serenidade. Há mágoas por resolver, lixo emocional.  Quando nos obrigaremos a parar? A cultivar as nossas amizades, em espírito de entrega, sem querer a admiração do mundo inteiro? Diga-nos sinceramente: há quanto tempo não respira? Há quanto tempo não perdoa? Desde quando passou a sentir esse nó na garganta, esse peso no peito, essas intermináveis dores de cabeça? Para onde quer ir, realmente, a não ser ao fundo de si mesmo?


publicado por projectcyrano às 11:08
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

A marca Projecto Cyrano está registada no INPI desde Dezembro de 2010.
os nossos livros

O Casamento do Drgão

Um conto medieval para dois irmãos


Amor em Africa

Um amor para sempre


João e Benjamim

Conto para um avô


Blog em livro

Mais um blog


Para ti, João Pedro

Prenda para um filho


Um sonho para mim

Vida e amor


Povo pequenino

Outro conto infantil


O primeiro conto

O primeiro conto escrito pelo Projecto Cyrano


Um blog de amor

Blog em livro


Em nome do amor

Trinta páginas mais dez de fotos